Vivemos numa época em que existe uma enorme pressão por parte da sociedade para seguirmos determinados padrões de beleza, o que leva muitas pessoas a iniciarem dietas restritivas que nem sempre resultam. Desta forma, as pessoas ficam tristes, frustradas, revoltadas e sentem-se como “falhadas”, principalmente quando se comparam com outras que conseguem atingir esses mesmos padrões. 

A comparação, a ruminação e o perfecionismo acabam assim por contribuir para uma diminuição da autoestima da pessoa em causa.

O que é a autoestima?

A autoestima é a imagem e opinião, quer positiva quer negativa, que cada um tem e faz de si mesmo.

Pode ser interpretada como uma avaliação mental e física que fazemos de nós mesmos, uma aceitação pessoal, que reflete nas nossas decisões diárias um equilíbrio emocional.

Esta é construída a partir de experiências passadas, crenças, comportamentos, autoimagem e ainda da imagem que os outros têm de nós e influencia os nossos comportamentos atuais e determina comportamentos futuros.

o que é a autoestima

Qual a relação da autoestima com a perda de peso?

Quando temos uma baixa autoestima deixamos de fazer coisas para nos agradar e começamos a fazer tudo com o intuito de satisfazer apenas os outros para que estes nos valorizem, já que nós não o fazemos.

Esta diminuição de autoestima faz com que a pessoa tenha dificuldade para lidar com as suas emoções.

É nestes casos as pessoas frequentemente utilizam a comida como forma de aliviar a sua “dor”, ou seja, a comida é como um “calmante” para aliviar, evitar ou acalmar o julgamento feroz que muitas vezes trazemos para a nossa vida.

4 Pilares para melhorar a autoestima

Existem quatro grandes pilares que devem estar sólidos para que tenham uma boa autoestima.

Autoaceitação

O primeo pilar é o da aceitação, isto é, estar satisfeito em relação a si próprio.

Autoconfiança

O segundo pilar é a autoconfiança, ou seja, a pessoa apresentar uma postura positiva em relação às suas capacidades e ao seu desempenho. Autoconfiança significa a pessoa ter confiança de que sabe exatamente o que deve fazer para atingir os seus objetivos e como superar possíveis adversidades.

Habilidade Social

O terceiro pilar para uma boa autoestima é a habilidade social, ou seja, a capacidade de viver experiências sociais em equilíbrio, sabendo conviver com relações fáceis ou mais complexas.

Amor Próprio

Por último, mas não menos importante temos o pilar do amor próprio, isto é, devem-se amar acima de tudo a vocês mesmos, pois na verdade mais ninguém irá estar sempre convosco até ao fim além de vocês próprios.

Tendo estes quatro pilares sólidos irão apresentar uma boa autoestima e assim irão ser capazes de confiarem em vocês mesmos, isto é, não levar em consideração o julgamento de outras pessoas, prestando apenas atenção ao que é positivo para vocês.

Além disso, conseguirão lidar melhor com os vossos pontos fracos (fraquezas ou defeitos) e cuidaram mais de vocês mesmos, adquirindo por exemplo, melhores hábitos alimentares, uma rotina de atividade física ou de sono.

A autoestima equilibrada ajudará também nas vossas tomadas de decisão, deixando-vos mais seguros e de bem convosco próprios.

Por fim, uma boa autoestima é fundamental para dizerem “não” sem ficarem com vergonha ou sentimentos de injustiça ao negar algo a alguém. E terão sempre em conta o que é melhor para os outros, mas sobretudo para vocês.

As consequências de uma baixa autoestima

Desta forma, é importante cuidarem da vossa autoestima, uma vez que uma baixa autoestima pode levar a problemas graves com a comida, pois podemos encontrar nesta a solução perfeita para nos sentirmos melhor a curto prazo.

Mas, a longo prazo será a melhor solução? Não, porque podem vir a manifestar problemas como por exemplo, compulsão alimentar, anorexia ou bulimia. Por isso, se tem sinais de baixa autoestima está na hora de procurar ajuda junto a profissionais especializados.

O psicólogo pode ajudá-lo a melhorar a sua autoestima

O psicólogo tem um papel fundamental, uma vez que, ajuda a criar estratégias saudáveis para superar e desenvolver as capacidades, a autoconfiança, a autoaceitação e as habilidades sociais.

Além disso, se quer melhorar a sua forma corporal pode contar com o apoio de um nutricionista, que vai elaborar e ajudar a seguir um plano personalizado á sua medida e assim evitar que entre em dietas restritivas que muitas vezes não tem os resultados esperados.

Espero ter ajudado a perceber a relação existente entre a autoestima e a alimentação e o quão importante é pedir ajuda a profissionais especializados.

Diga à nossa psicóloga como acha que está a sua autoestima. A Drª Eduarda responde-lhe!

Subscreva a Newsletter

Receba receitas e dicas de alimentação saudáve no seu email