Fome Emocional

5 Dicas para Lidar com a Compulsão Alimentar

Aqui terá acesso a todos os serviços disponiveis na Ana Sousa Nutricionista.

Compulsão alimentar

Já deu por si a exagerar na quantidade de comida numa refeição ou continuar a comer sem fome? Estes dois comportamentos são mais frequentes do que pensa, mas será que significa que estamos perante um caso de compulsão alimentar?

O que é a compulsão alimentar?

A compulsão alimentar é um distúrbio alimentar que consiste num episódio de ingestão compulsiva. É caraterizado pela ingestão de uma quantidade de alimentos exagerada, num curto período de tempo. Esta quantidade é, sem dúvida, superior à que a maioria dos indivíduos consegue comer num período semelhante e nas mesmas circunstâncias. A compulsão também se caracteriza pela sensação de perda de controlo sobre o ato de comer durante o episódio.
Como a maioria dos distúrbios alimentares, também é considerado um distúrbio psicológico. É considerado um distúrbio psicológico, pois na maioria das vezes é causado devido a crises de ansiedade e depressão. Nem sempre a ingestão excessiva de alimentos, pode ser considerada compulsão alimentar, pois já todos experienciamos este tipo de comportamento, pelo menos de forma isolada, e não algo que seja repetitivo e prejudicial para a saúde.

Quais são os sintomas de compulsão alimentar?

A ingestão exagerada de alimentos é um sintoma da compulsão alimentar, mas apenas é tomado em conta para o diagnóstico quando acompanhado por outros sintomas, tais como:
● Ingestão muito mais rápida do que o habitual;
● Comer até se sentir desconfortavelmente cheio;
● Ingestão de grande quantidade de comida apesar de não sentir fome;
● Comer sozinho por se sentir envergonhado pela sua veracidade;
● Sentir-se desgostoso consigo próprio, deprimido ou com grande culpabilidade depois da ingestão compulsiva.

Uma pessoa que sofre de compulsão alimentar também tem associados alguns sintomas do foro psicológico, que devem ser diagnosticados por um psicólogo. Estes sintomas são:
● Ansiedade
● Depressão
● Ataques de pânico

 

O Papel da Psicoterapia na Compulsão Alimentar

A psicoterapia baseia-se na ideia de que a compulsão alimentar é um mecanismo para enfrentar problemas pessoais não resolvidos, como tristeza, conflitos de relacionamento, mudanças significativas na vida ou problemas sociais subjacentes.

O psicoterapeuta trabalha com o significado emocional que os sintomas possam ter na vida da pessoa, de forma a reconhecê-los e, em seguida, fazer alterações construtivas ao longo do tratamento.

A partir do autoconhecimento ficará mais fácil identificar os gatilhos emocionais que desencadeiam o ato compulsivo e a desenvolver estratégias de enfrentamento a esta questão.  

Quais as consequências da compulsão alimentar?

Como qualquer distúrbio alimentar, a compulsão alimentar traz consequências para a saúde. Existem sintomas de doenças, que são consequência da compulsão. Por isso é necessário sempre procurar ajuda médica especializada, nomeadamente psicólogos e nutricionistas.
Conheça algumas consequências da compulsão alimentar:

Problemas respiratórios – devido ao excesso de peso e até mesmo obesidade, o sistema respiratório começa a sentir alguns problemas, devido à acumulação de gordura na zona abdominal, que impede o movimento do diafragma, deteriorando a função pulmonar.

Desnutrição – Quem pensa que a desnutrição acontece apenas em pessoas magras, está bem enganado. A nutrição não tem a ver com a magreza ou excesso de peso, mas sim com um corpo nutrido. Um nutricionista ajuda a ter uma alimentação mais saudável, rica em nutrientes e vitaminas que ajudam a um bom funcionamento do organismo. Uma pessoa que sofre de compulsão alimentar, na maioria dos casos, tem compulsão por alimentos ricos em gorduras e em açúcares, que são alimentos pobres em nutrientes, por isso é normal terem carência de alguns nutrientes essenciais ao organismo, como por exemplo, o ferro, cálcio e alguns ômegas.

Problemas no sistema digestivo – Comida a mais irá fazer com que o sistema digestivo fique sobrecarregado. O estômago irá produzir mais ácido para digerir a comida, e se estiver muito cheio, pode ainda ocorrer casos de refluxo. Nos pacientes que sofrem também de bulimia, devido aos episódios de provocação do vómito, pode existir inflamação do esófago e da garganta.

Problemas cardiovasculares – Se um paciente sofre de obesidade devido à compulsão alimentar, a acumulação de gordura pode provocar problemas cardiovasculares devido à obstrução das veias. Algumas consequências comuns são colesterol alto, pressão arterial alta (hipertensão), AVC, etc.

Evite saltar refeições se quer perder peso

Compulsão Alimentar VS Emoções

A compulsão alimentar é considerada um distúrbio psicológico, pois não é causada por algo patológico ou físico. O nosso organismo não necessita de alimento a mais, mas porque será que comemos demais? Será um vício?

É um facto que o açúcar e o sal podem ser viciantes, mas o consumo excessivo dos mesmos não é a principal causa da compulsão alimentar. Este distúrbio normalmente é causado por depressão, crises de ansiedade, traumas entre outros.

Quando alguém entra num estado depressivo ou ansiedade, tem bastante dificuldade em lidar com as emoções, por isso tenta encontrar algo que compense o seu estado espírito. Para além das drogas e do álcool, a comida pode mesmo ser uma espécie de escape, por isso é importante procurar ajuda num psicólogo, para assim perceber a origem da tristeza, do stress, da ansiedade, para assim encontrar o melhor método para combater a compulsão alimentar.

Como tratar a compulsão alimentar?

Existe tratamento para a compulsão alimentar, e como mencionado anteriormente, terá que procurar ajuda o quanto antes e junto de um psicólogo.É importante que o paciente entenda que o tratamento não terá resultados imediatos, terá que ter paciência. 

O tratamento por parte do psicólogo, será tentar descobrir o que causou o estado de ansiedade que levou à compulsão alimentar, através de várias sessões de terapia. É recomendado que também procure um psiquiatra, para saber se será necessário recorrer a medicação para tratar a ansiedade ou depressão.

Mas não é apenas de apoio psicológico e psiquiátrico que se baseia o tratamento da compulsão alimentar, como é também um distúrbio alimentar, terá que ser acompanhado por um nutricionista, para assim começar a seguir uma dieta variada e saudável, bem como, por um endocrinologista para perceber como estão os níveis hormonais do organismo, que podem ser afetados devido ao stress e ansiedade.

Existem medicamentos para tratar a compulsão alimentar?

Sim, existem. Estes medicamentos servem apenas para regular a função hormonal do organismo, conseguindo assim diminuir a fome física e emocional, provocada por estados de ansiedade e depressão. Estes medicamentos terão que ser receitados apenas por um endocrinologista, depois de efetuados diversos exames, para perceber a situação clínica do paciente. Já os medicamentos para tratar os estados de ansiedade e depressão, deverão ser receitados por um psiquiatra.

5 Dicas para Lidar com a Compulsão Alimentar

Depois de procurar ajuda médica, existem alguns métodos que ajudam a lidar com a compulsão alimentar, ficam aqui 5 dicas:

  • Pratique exercício físico – Ajuda a melhorar o bem-estar físico e mental.
  • Durma melhor – Uma boa rotina de sono, ajuda a controlar os níveis de ansiedade.
  • Evitar dietas restritivas – Seguir dietas restritivas, onde se fica muito tempo sem comer ou em que se diminui a quantidade de alimentos, aumentam os episódios de compulsão.
  • Beber água – Mantém-se hidratado e ajuda a controlar os impulsos por comida.
  • Comer devagar – Aquando das refeições, comer devagar ajuda a ficar saciado com a quantidade suficiente para o seu organismo.

Venha conhecer os nossos profissionais habilitados para a ajudar com a Compulsão Alimentar. Entre em contacto.

Envie mensagem com as suas duvidas! Entre em Contacto

Subscreva a Newsletter

Receba receitas e dicas de alimentação saudáve no seu email